13 de Setembro de 2010

 

 

 

    Amici Salvate!

 

 

    O número 3 é um número bonito. Por isso deixámos aqui ontem a Trilogia. Hoje fechamos o quadrado.

 

    Realmente, o último ficaria incompleto sem uma nota complementar - os verbos transitivos, por exemplo com o acusativo, o complemento directo, sob a forma reflexa. Aqui creio saber qual a origem dos erros crassos que se dão actualmente na nossa língua, a saber: 

 

                                                             - eu caso (o quê, ou quem?);

                                                             - eu vendo; vende (idem. Sim, podem pensar em coisas menos próprias, dá mesmo vontade);

                                                             - ele feriu um dedo (de propósito?);

                                                             - ela reuniu com os colegas (ou reuniu os livros que tinha?)

                                                             etcetera... (só posso sugerir que estejam atentos para mais calamidades)

 

    Solução:

 

 

    - eu caso-me ou o padre ou o conservador do registo civil casou o Manuel com a Maria;

 

    - eu vendo o carro; vende-se o apartamento; 

 

    - ele feriu-se num dedo;

 

    - ela reuniu-se com os colegas.

 

   

    Sempre com o complemento directo porque se trata de verbos transitivos.

 

   

    De ouvir brasileiros a falar, creio que este erro vem deles. Não será de todos, não sei, mas é o que se ouve pela rua. O acordo luso-brasileiro, bem..., já houve acordos ortográficos antes, mas semânticos? Não dêem estes erros porque a dá-los qualquer dia a nossa língua fica completamente esvaziada de sentido e sem língua um povo não pode raciocinar, coisa que o Poder talvez goste... Na televisão dão esses erros, ministros dão-nos, mas quem é essa gente?

 

    E já agora: "eu sempre disse" ou "eu disse sempre"?

 

 

    Valete

 

    Raulus Antonius.

 

 

 

 

 

 

publicado por Raúl Mesquita às 11:06 link do post
Raul
A educação é algo que demora a conseguir-se. O uso do apelido revela respeito. O do nome pessoal, intimidade. A relação médico paciente é dempre de respeito. Só raramente de intimidade. A menos que esta já existisse antes.

Abraço
Helena Sacadura Cabral a 30 de Setembro de 2010 às 20:06
Cara Helena:

Parece que houve um pequeno mal-entendido hoje. Escrevi no meu "post" de ontem intitulado "O Senhor..." :

A minha irmã contou-me que uma vez, no Hospital , apareceu um doente na Urgência, um sem-abrigo como se chamam agora, que se sentia muito mal. Tinha um historial de leucemia. A minha irmã era hematologista. "Então como se sente Senhor Ferreira?" Aquelas perguntas preliminares para pôr o doente à vontade. Resposta: "A Senhora Drª é a primeira pessoa aqui no Hospital que me trata por Senhor Ferreira e não por Sr. João. Há tanto tempo...!". O Senhor Ferreira, in extremis, morreu nessa noite.

Quis dizer, morreu pelo menos com a dignidade de Senhor e soube apreciá-la porque era um Senhor, enquanto que outros médicos pelos quais tinha passado antes nessa sua última noite, enfermeiros e "técnicos ou profissionais de sáude" seja o que isso for, trataram-no por Sr. João, daí a sua comoção por ser tratado condignamente por Senhor Ferreira. Que isso tenho sido um pequena ajuda na sua pasagem para o além!

Helena, já me conhece o suficiente! Não tolero o Sr. + nome próprio. "Sr. Raúl" makes me blue!

Abraço.




Raúl Mesquita a 1 de Outubro de 2010 às 01:27
Ressalvo as palavras "saúde" e "passagem".
Raúl Mesquita a 1 de Outubro de 2010 às 01:33

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sabe, se V. não fosse europeísta não se chamava G....
Sabe, essa ideia de Europa Unida acho que é uma fi...
Obrigada pela visita.George Sand com toque feminin...
Cara George Sand:Gostei da sua visita e fui também...
É lindo o cravo. Convida a silêncios. Entrelaçados...
Tailon , óntos ?
Sou eu quem deve pedir desculpa então.Muito prazer...
A desculpe.Meu nome é Thailon mesmo. Thailon Azeve...
Caro Thailon:Obrigado por ter respondido à minha p...
Sim.Bem, como pode perceber, minha cantora predile...
Caro Thailon:Decerto reparou no último parágrafo d...
Mesmo sabendo que você fez esta lista com gostos p...
Meu querido Raul, o MesquitaA possibilidade de uma...
Deve com certeza ter, Cara Helena. Fascina-me a be...
Que belíssima peça e que som maravilhoso não terá....
Augusto-o-Ilustre:Agradeço as tuas sempre prontas ...
Meu amigo Raul, o MesquitaA música está sempre pre...
Cara Helena:Obrigado pela sua visita. Compreendo q...
O que me choca na foto:- Duas mulheres sem cabeça-...
Meu querido amigo Raul, o MesquitaNa época da guer...
Meu Caro:Vá por mim, não perca tempo com o Google ...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Este texto, mais que formular opinião, é uma aula ...
Caríssimo Raul, o MesquitaTenho que aceitar que a ...
Saudações! Já lhe terá ocorrido espreitar na lite...
Augusto, O Ilusre:Ficcionei ao escolher a ficção, ...
Meu caro amigo Raul, o MesquitaNão caias no erro d...
O Para vir. Com o álibi da troika! Estou à espera ...
Querido Amigo:Compreendo bem as tuas palavras e ag...
blogs SAPO