24 de Julho de 2011

  

   

 

 

 

 

Amici, Salvate!

 

 

O HORROR DA CULTURA AMERICANA INSTALADA

 

 

 

 

    Ontem, ao fim da tarde, peguei num livro e fui a pé à baixa. Sentei-me numa esplanada, numa tentativa de combate ao spleen que este Verão me assola mais forte que de costume. Tempo de fazer nada, assusta-me. Este Verão assusta-me mais. São as medidas do governo, são as incertezas duras para todos, duríssimas para quem se reformou. É a necessidade acrescida de produzir, interrompida por auto-disciplina durante um mês no Verão, com o subsequente sentimento de vazio, é a corrida ao Blog. São ainda, pior que tudo, as retracções dos editores, os cortes orçamentais das emissoras, é, enfim, o turbilhão para que fomos, para que o Mundo foi arrastado pela ganância de muitos, para o sofrimento de quase todos. Angústia acrescida da noção de Tempo!

 

    Abri o livro e comecei a lê-lo. No fim do II Capítulo surgiu a palavra mauve. Caí de imediato em daydreaming. Tive saudades, daquelas que doem, dos filmes de há alguns anos, tudo por causa da palavra mauve. Un Taxi Mauve. Lembram-se, Charlotte Rampling, Philippe Noiret, Peter Ustinov…? Ainda estávamos numa altura em que se produzia uma boa quantidade de filmes europeus, calmos, que sabiam fazer sorrir, que nos ofereciam a companhia para casa de uma sensação de plenitude.

 

 Rapidamente, bruscamente num Outono, muito provavelmente, acabou. O mercado americano ocupou, na prática, tudo. As distribuidoras passaram a comprar só o produto americano porque com a concorrência (desleal?) oferecia mais barato e... muito pior. Eram, e são, filmes, que de pleno nada têm. São como canetas descartáveis. Vêem-se, se se tem paciência, esquecem-se, para se ver três dias depois outros iguais com actores semelhantes em cidades semelhantes, com desfeches semelhantes (dois possíveis e só esses).

 

    Os filmes, pelo impacte da imagem, foram sempre um meio muito importante de divulgação cultural, um meio de infiltração do Poder. Há a considerar o aspecto financeiro, mas por trás deste, há, promovido pelo Poder, o veículo de uma ideologia, mesmo que seja a da redução à pizza. Sim, houve filmes americanos muitíssimo bons. Houve. Foram feitos por europeus fugidos a conturbações socio-políticas, quer ocupando o lugar de realizadores ou de produtores quer o de assistentes, de cameramen ou de argumentistas...

 

    Hoje, infelizmente, estamos entregues ao Horror da Cultura Americana Instalada.

 

    Todos estes pensamentos por causa do meu livro; por causa da palavra mauve!

 

Valete
Raulus Antonius
 P.S. E, já agora, dêem uma corridinha ao "de mim-para-mim", em:

  

 

http://naoporenquantoobrigado.blogspot.com/

 

 

 

 

 

publicado por Raúl Mesquita às 12:48 link do post
|  O que é? | favoritos
Estou a tentar fazer um comentário
augusto Dias a 31 de Julho de 2011 às 18:57
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
17
18
20
21
22
23
25
26
28
29
30
31
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sabe, se V. não fosse europeísta não se chamava G....
Sabe, essa ideia de Europa Unida acho que é uma fi...
Obrigada pela visita.George Sand com toque feminin...
Cara George Sand:Gostei da sua visita e fui também...
É lindo o cravo. Convida a silêncios. Entrelaçados...
Tailon , óntos ?
Sou eu quem deve pedir desculpa então.Muito prazer...
A desculpe.Meu nome é Thailon mesmo. Thailon Azeve...
Caro Thailon:Obrigado por ter respondido à minha p...
Sim.Bem, como pode perceber, minha cantora predile...
Caro Thailon:Decerto reparou no último parágrafo d...
Mesmo sabendo que você fez esta lista com gostos p...
Meu querido Raul, o MesquitaA possibilidade de uma...
Deve com certeza ter, Cara Helena. Fascina-me a be...
Que belíssima peça e que som maravilhoso não terá....
Augusto-o-Ilustre:Agradeço as tuas sempre prontas ...
Meu amigo Raul, o MesquitaA música está sempre pre...
Cara Helena:Obrigado pela sua visita. Compreendo q...
O que me choca na foto:- Duas mulheres sem cabeça-...
Meu querido amigo Raul, o MesquitaNa época da guer...
Meu Caro:Vá por mim, não perca tempo com o Google ...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Este texto, mais que formular opinião, é uma aula ...
Caríssimo Raul, o MesquitaTenho que aceitar que a ...
Saudações! Já lhe terá ocorrido espreitar na lite...
Augusto, O Ilusre:Ficcionei ao escolher a ficção, ...
Meu caro amigo Raul, o MesquitaNão caias no erro d...
O Para vir. Com o álibi da troika! Estou à espera ...
Querido Amigo:Compreendo bem as tuas palavras e ag...
blogs SAPO