06 de Outubro de 2009

A propósito de um post de hoje, da Rita Ferro, "O acaso é, talvez, o pseudónimo de Deus, quando não quer assinar" (Théophile Gautier), ocorreram-me os seguintes pensamentos:

 

Assinar ou não assinar, é esta a questão?

 

A frase é, sem dúvida, muito bonita. Deus assina, mostra, revela, indica...! Inversamente, por um lado, os judeus não podem pronunciar o Seu nome secreto, por outro, os cristãos abusam do "Ai Meu Deus!" E assim temos, muito resumido, o problema de Assinar e de Balbuciar.

 

Falar das relações teológicas entre o judaísmo e o cristianismo, só será possível num ensaio, longo demais para um blog. No entanto, levanto uma ponta do Véu de Maya. O problema prende-se com o da didícil conciliação da Justiça com a Bondade. Serão porventura compatíveis, como habilmente Santo Anselmo de Aosta quis demonstrar?

 

Gostariam de dar uma achega?

 

 

publicado por Raúl Mesquita às 17:13 link do post
|  O que é? | favoritos
Quanto à frase do Sr. Guautier permita-me discordar da mesma. Nada acontece por acaso. O acaso não existe. Tudo acontece porque tem que acontecer, e só se torna um acaso porque ainda não temos a capacidade da previsão racional da acção.
Quando a tivermos, deixará de haver o acaso, mas também provavelmente deixaremos de ser humanos.
Quanto à ideia de que não há Deus, eu pessoalmente discordo.Existe, manifesta-se, no nosso colectivo, mesmo que saído da invenção do mesmo. Se o homem o inventou, existe, tal como ele se manifesta das formas conhecidas.
Aliás o Ateísmo , é a maior prova da existência de Deus, senão veja-se:
-Consegue-se negar algo que não exista?
Por muito que tente responder, no final dou de caras com um não.
Só nego o que existe. O que não existe não o nego, pois nem sequer tenho conhecimento que exista, pois a negação da afirmação, só pode acontecer sobre algo que conheçamos.
Esta é a minha humilde opinião.

Abraços
alvaro a 7 de Outubro de 2009 às 03:44
e muito anselmiana, Álvaro!
Raúl Mesquita a 7 de Outubro de 2009 às 13:55
A ideia de que só se pode negar aquilo que existe, é, com todo o respeito, um absurdo. Neste momento eu nego que exista uma bomba atómica invisível no meu colo, visto que nada me indica que a tenha, e mesmo que não soubesse que a tinha, pois não posso realmente *provar* que não a tenho, negaria a sua existência. Porquê? Porque a teoria do senso comum é comparativamente muito mais plausível...
Não se pode provar um negativo, um negativo não tem suporte, é a ausência.
Ou talvez o seu argumento se prenda com o de Santo Anselmo: Se achamos que existe deus, então isso teve que vir de qualquer lado. Pois veio, provavelmente de alguém com sintomas de epilepsia, ou do desejo humano de ligar causas a efeitos e desejar ter um ente protector:

http://www.youtube.com/watch?v=LNSe4Ff57n4&feature=PlayList&p=0B1C6B69B86553C4&playnext=1&playnext_from=PL&index=30

Quanto aos conceitos de justiça e bondade, deus não é nenhum ente. QUando digo Deus, digo universo, como Einstein. Portanto não podemos nunca saber o que vai na sua mente muito menos que lados toma. tudo isso são coisas que vêm de nós. A justiça e a bondade não são conceitos opostos. Será que é justo matar um assassino com problemas mentais? Será que é justo cortar a mão a um ladrão paupérrimo? Será justo aplicar uma pena igual a quem se tem arrependido dos seus crimes? A justiça pode ser imparcial, mas por vezes pode adquirir nuances daquilo que é a condição humana. A justiça é o bem.
GuiMarquito a 14 de Fevereiro de 2010 às 14:22
porra, desisto, não consigo por o comentário no sítio certo.
GuiMarquito a 14 de Fevereiro de 2010 às 14:24
Mas pôs, mas pôs, uma vez que se fala de Teologia. Raúl.
Raúl Mesquita a 15 de Fevereiro de 2010 às 16:16
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
16
18
21
22
23
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sabe, se V. não fosse europeísta não se chamava G....
Sabe, essa ideia de Europa Unida acho que é uma fi...
Obrigada pela visita.George Sand com toque feminin...
Cara George Sand:Gostei da sua visita e fui também...
É lindo o cravo. Convida a silêncios. Entrelaçados...
Tailon , óntos ?
Sou eu quem deve pedir desculpa então.Muito prazer...
A desculpe.Meu nome é Thailon mesmo. Thailon Azeve...
Caro Thailon:Obrigado por ter respondido à minha p...
Sim.Bem, como pode perceber, minha cantora predile...
Caro Thailon:Decerto reparou no último parágrafo d...
Mesmo sabendo que você fez esta lista com gostos p...
Meu querido Raul, o MesquitaA possibilidade de uma...
Deve com certeza ter, Cara Helena. Fascina-me a be...
Que belíssima peça e que som maravilhoso não terá....
Augusto-o-Ilustre:Agradeço as tuas sempre prontas ...
Meu amigo Raul, o MesquitaA música está sempre pre...
Cara Helena:Obrigado pela sua visita. Compreendo q...
O que me choca na foto:- Duas mulheres sem cabeça-...
Meu querido amigo Raul, o MesquitaNa época da guer...
Meu Caro:Vá por mim, não perca tempo com o Google ...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Este texto, mais que formular opinião, é uma aula ...
Caríssimo Raul, o MesquitaTenho que aceitar que a ...
Saudações! Já lhe terá ocorrido espreitar na lite...
Augusto, O Ilusre:Ficcionei ao escolher a ficção, ...
Meu caro amigo Raul, o MesquitaNão caias no erro d...
O Para vir. Com o álibi da troika! Estou à espera ...
Querido Amigo:Compreendo bem as tuas palavras e ag...
blogs SAPO