24 de Julho de 2011

  

   

 

 

 

 

Amici, Salvate!

 

 

O HORROR DA CULTURA AMERICANA INSTALADA

 

 

 

 

    Ontem, ao fim da tarde, peguei num livro e fui a pé à baixa. Sentei-me numa esplanada, numa tentativa de combate ao spleen que este Verão me assola mais forte que de costume. Tempo de fazer nada, assusta-me. Este Verão assusta-me mais. São as medidas do governo, são as incertezas duras para todos, duríssimas para quem se reformou. É a necessidade acrescida de produzir, interrompida por auto-disciplina durante um mês no Verão, com o subsequente sentimento de vazio, é a corrida ao Blog. São ainda, pior que tudo, as retracções dos editores, os cortes orçamentais das emissoras, é, enfim, o turbilhão para que fomos, para que o Mundo foi arrastado pela ganância de muitos, para o sofrimento de quase todos. Angústia acrescida da noção de Tempo!

 

    Abri o livro e comecei a lê-lo. No fim do II Capítulo surgiu a palavra mauve. Caí de imediato em daydreaming. Tive saudades, daquelas que doem, dos filmes de há alguns anos, tudo por causa da palavra mauve. Un Taxi Mauve. Lembram-se, Charlotte Rampling, Philippe Noiret, Peter Ustinov…? Ainda estávamos numa altura em que se produzia uma boa quantidade de filmes europeus, calmos, que sabiam fazer sorrir, que nos ofereciam a companhia para casa de uma sensação de plenitude.

 

 Rapidamente, bruscamente num Outono, muito provavelmente, acabou. O mercado americano ocupou, na prática, tudo. As distribuidoras passaram a comprar só o produto americano porque com a concorrência (desleal?) oferecia mais barato e... muito pior. Eram, e são, filmes, que de pleno nada têm. São como canetas descartáveis. Vêem-se, se se tem paciência, esquecem-se, para se ver três dias depois outros iguais com actores semelhantes em cidades semelhantes, com desfeches semelhantes (dois possíveis e só esses).

 

    Os filmes, pelo impacte da imagem, foram sempre um meio muito importante de divulgação cultural, um meio de infiltração do Poder. Há a considerar o aspecto financeiro, mas por trás deste, há, promovido pelo Poder, o veículo de uma ideologia, mesmo que seja a da redução à pizza. Sim, houve filmes americanos muitíssimo bons. Houve. Foram feitos por europeus fugidos a conturbações socio-políticas, quer ocupando o lugar de realizadores ou de produtores quer o de assistentes, de cameramen ou de argumentistas...

 

    Hoje, infelizmente, estamos entregues ao Horror da Cultura Americana Instalada.

 

    Todos estes pensamentos por causa do meu livro; por causa da palavra mauve!

 

Valete
Raulus Antonius
 P.S. E, já agora, dêem uma corridinha ao "de mim-para-mim", em:

  

 

http://naoporenquantoobrigado.blogspot.com/

 

 

 

 

 

publicado por Raúl Mesquita às 12:48 link do post
|  O que é? | favoritos
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
17
18
20
21
22
23
25
26
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sabe, se V. não fosse europeísta não se chamava G....
Sabe, essa ideia de Europa Unida acho que é uma fi...
Obrigada pela visita.George Sand com toque feminin...
Cara George Sand:Gostei da sua visita e fui também...
É lindo o cravo. Convida a silêncios. Entrelaçados...
Tailon , óntos ?
Sou eu quem deve pedir desculpa então.Muito prazer...
A desculpe.Meu nome é Thailon mesmo. Thailon Azeve...
Caro Thailon:Obrigado por ter respondido à minha p...
Sim.Bem, como pode perceber, minha cantora predile...
Caro Thailon:Decerto reparou no último parágrafo d...
Mesmo sabendo que você fez esta lista com gostos p...
Meu querido Raul, o MesquitaA possibilidade de uma...
Deve com certeza ter, Cara Helena. Fascina-me a be...
Que belíssima peça e que som maravilhoso não terá....
Augusto-o-Ilustre:Agradeço as tuas sempre prontas ...
Meu amigo Raul, o MesquitaA música está sempre pre...
Cara Helena:Obrigado pela sua visita. Compreendo q...
O que me choca na foto:- Duas mulheres sem cabeça-...
Meu querido amigo Raul, o MesquitaNa época da guer...
Meu Caro:Vá por mim, não perca tempo com o Google ...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Este texto, mais que formular opinião, é uma aula ...
Caríssimo Raul, o MesquitaTenho que aceitar que a ...
Saudações! Já lhe terá ocorrido espreitar na lite...
Augusto, O Ilusre:Ficcionei ao escolher a ficção, ...
Meu caro amigo Raul, o MesquitaNão caias no erro d...
O Para vir. Com o álibi da troika! Estou à espera ...
Querido Amigo:Compreendo bem as tuas palavras e ag...
blogs SAPO