05 de Novembro de 2010

              

 

 

   Amici Salvate!

 

   Desde 1992 A.D. que visito com alguma regularidade os EUA, nomeadamente a cidade de Nova Iorque, com incidência em Manhattan. A minha última estada, da qual regressei na semana passada, prolongou-se por vinte e dois dias. Não é a primeira nem a segunda vez que fico pelo Mundo Novo três semanas. Não vale a pena ir e voltar a não ser por motivo de força maior, no qual se inclui, naturalmente, o trabalho. Felizmente tenho onde ficar, bons amigos acolhem-me!

 

   Mais uma vez, gostei de lá estar. Porém passou-se uma coisa curiosa. Ao fim de dezoito anos de visitas, os nova iorquinos irritaram-me pela primeira vez (sim, que os californianos irritaram-me logo à primeira, embora tenha insistido uma segunda vez). O barulho do trânsito que eu já conhecia enervou-me sobremaneira, talvez por me lembrar a odiosa, ainda que bonita, cidade onde vivo (Lisboa). As pessoas, reparei que eram, contrariamente à minha opinião anterior, muito mal educadas, para não falar da sua extrema ignorância, maior do que a britânica, que, aliás, espalha os seus malévolos tentáculos de estupidificação das massas aos antigamente sábios países latinos. Relato um curto episódio num autocarro:

 

   Eu ia de pé com um saco na mão esquerda e agarrado à maçaneta do tecto com a mão direita. Embora se guie muito melhor no estado de Nova Iorque do que aqui e os chauffeurs de autocarro sejam muito mais cuidadosos, tive algum medo (por hábito?) de uma travagem brusca e não tirei a mão da dita maçaneta. Espirrei. Coisas que acontecem! Uma senhora, sentada, que ia, foi a falar a viagem toda, ao telemóvel, virou-se para mim e disse:  "Cover your mouth". Assim, a seco, sem um "I wish you would...", sem o mero "...please"! Respondi: "You are NOT talking to me!" Ela:" Yes I am", Eu:" Well, I did not hear you!", pausa, continuei "And you are NOT going to lecture me!" Silêncio sepulcral no autocarro. Quanto à senhora, continuou a conversa com a amiga de Harlem.

 

  E confirmei melhor uma ideia já formada, i.e, prestei talvez mais atenção a pormenores como os do atendimento em lojas e em restaurantes. Rareia a despedida, uma vez paga a conta. Nota-se realmente que o fenómeno emigração, com todas as explicações que possa ter, desde as políticas e as amorosas, que compreendo perfeitamente, até às da fome, que compreendo menos porque dá isto, dá a ganância quando se consegue uma bucha; note-se, porque muita gente ficou, não emigrou e sobreviveu, logo, parece-me que quem emigra para fazer dinheiro ($$$) tem mau carácter e o resultado está à vista, tem nome: países novos: EUA, a anterior África do Sul, os anteriores Moçambique, Angola and so on... Mas afastei-me do que estava a contar, desculpem, Amici! Entramos: "And how are you today? [smiles]. Saímos e dizemos: "Good Bye!" Às vezes: "Have a good one..." mas às vezes NADA, já não ouvem, o cliente já não é cliente, já se esqueceram, já passou, já não interessa, "vamos ao futuro, o próximo, a próxima gorgeta!"

 

   Entre os restaurantes e as lojas chiques e os maus só muda a pintura, a fibra é a mesma. Poucos são os bons genes que por ali se passeiam. Há-os! Os dos fugidos a perseguições políticas europeias (normalmente constituídos em artistas) e os de outras partes que ali foram parar com bolsas de fundações de milionários que amavam-a-arte-de-dar-nas-vistas-as-patrons-of-the-arts!

 

  E aqui fica a minha percepção actualíssima de NYC, the Big Apple, com a sua sobranceira grosseria, as suas vaidades, as suas modas e as  suas nuances efémeras  : Tribeca hoje  (amanhã?)

 

 

 

Have a good one!

 

 

Valete

 

Raulus Antonius

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Raúl Mesquita às 12:11 link do post
|  O que é? | favoritos
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sabe, se V. não fosse europeísta não se chamava G....
Sabe, essa ideia de Europa Unida acho que é uma fi...
Obrigada pela visita.George Sand com toque feminin...
Cara George Sand:Gostei da sua visita e fui também...
É lindo o cravo. Convida a silêncios. Entrelaçados...
Tailon , óntos ?
Sou eu quem deve pedir desculpa então.Muito prazer...
A desculpe.Meu nome é Thailon mesmo. Thailon Azeve...
Caro Thailon:Obrigado por ter respondido à minha p...
Sim.Bem, como pode perceber, minha cantora predile...
Caro Thailon:Decerto reparou no último parágrafo d...
Mesmo sabendo que você fez esta lista com gostos p...
Meu querido Raul, o MesquitaA possibilidade de uma...
Deve com certeza ter, Cara Helena. Fascina-me a be...
Que belíssima peça e que som maravilhoso não terá....
Augusto-o-Ilustre:Agradeço as tuas sempre prontas ...
Meu amigo Raul, o MesquitaA música está sempre pre...
Cara Helena:Obrigado pela sua visita. Compreendo q...
O que me choca na foto:- Duas mulheres sem cabeça-...
Meu querido amigo Raul, o MesquitaNa época da guer...
Meu Caro:Vá por mim, não perca tempo com o Google ...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Este texto, mais que formular opinião, é uma aula ...
Caríssimo Raul, o MesquitaTenho que aceitar que a ...
Saudações! Já lhe terá ocorrido espreitar na lite...
Augusto, O Ilusre:Ficcionei ao escolher a ficção, ...
Meu caro amigo Raul, o MesquitaNão caias no erro d...
O Para vir. Com o álibi da troika! Estou à espera ...
Querido Amigo:Compreendo bem as tuas palavras e ag...
blogs SAPO