05 de Novembro de 2010

              

 

 

   Amici Salvate!

 

   Desde 1992 A.D. que visito com alguma regularidade os EUA, nomeadamente a cidade de Nova Iorque, com incidência em Manhattan. A minha última estada, da qual regressei na semana passada, prolongou-se por vinte e dois dias. Não é a primeira nem a segunda vez que fico pelo Mundo Novo três semanas. Não vale a pena ir e voltar a não ser por motivo de força maior, no qual se inclui, naturalmente, o trabalho. Felizmente tenho onde ficar, bons amigos acolhem-me!

 

   Mais uma vez, gostei de lá estar. Porém passou-se uma coisa curiosa. Ao fim de dezoito anos de visitas, os nova iorquinos irritaram-me pela primeira vez (sim, que os californianos irritaram-me logo à primeira, embora tenha insistido uma segunda vez). O barulho do trânsito que eu já conhecia enervou-me sobremaneira, talvez por me lembrar a odiosa, ainda que bonita, cidade onde vivo (Lisboa). As pessoas, reparei que eram, contrariamente à minha opinião anterior, muito mal educadas, para não falar da sua extrema ignorância, maior do que a britânica, que, aliás, espalha os seus malévolos tentáculos de estupidificação das massas aos antigamente sábios países latinos. Relato um curto episódio num autocarro:

 

   Eu ia de pé com um saco na mão esquerda e agarrado à maçaneta do tecto com a mão direita. Embora se guie muito melhor no estado de Nova Iorque do que aqui e os chauffeurs de autocarro sejam muito mais cuidadosos, tive algum medo (por hábito?) de uma travagem brusca e não tirei a mão da dita maçaneta. Espirrei. Coisas que acontecem! Uma senhora, sentada, que ia, foi a falar a viagem toda, ao telemóvel, virou-se para mim e disse:  "Cover your mouth". Assim, a seco, sem um "I wish you would...", sem o mero "...please"! Respondi: "You are NOT talking to me!" Ela:" Yes I am", Eu:" Well, I did not hear you!", pausa, continuei "And you are NOT going to lecture me!" Silêncio sepulcral no autocarro. Quanto à senhora, continuou a conversa com a amiga de Harlem.

 

  E confirmei melhor uma ideia já formada, i.e, prestei talvez mais atenção a pormenores como os do atendimento em lojas e em restaurantes. Rareia a despedida, uma vez paga a conta. Nota-se realmente que o fenómeno emigração, com todas as explicações que possa ter, desde as políticas e as amorosas, que compreendo perfeitamente, até às da fome, que compreendo menos porque dá isto, dá a ganância quando se consegue uma bucha; note-se, porque muita gente ficou, não emigrou e sobreviveu, logo, parece-me que quem emigra para fazer dinheiro ($$$) tem mau carácter e o resultado está à vista, tem nome: países novos: EUA, a anterior África do Sul, os anteriores Moçambique, Angola and so on... Mas afastei-me do que estava a contar, desculpem, Amici! Entramos: "And how are you today? [smiles]. Saímos e dizemos: "Good Bye!" Às vezes: "Have a good one..." mas às vezes NADA, já não ouvem, o cliente já não é cliente, já se esqueceram, já passou, já não interessa, "vamos ao futuro, o próximo, a próxima gorgeta!"

 

   Entre os restaurantes e as lojas chiques e os maus só muda a pintura, a fibra é a mesma. Poucos são os bons genes que por ali se passeiam. Há-os! Os dos fugidos a perseguições políticas europeias (normalmente constituídos em artistas) e os de outras partes que ali foram parar com bolsas de fundações de milionários que amavam-a-arte-de-dar-nas-vistas-as-patrons-of-the-arts!

 

  E aqui fica a minha percepção actualíssima de NYC, the Big Apple, com a sua sobranceira grosseria, as suas vaidades, as suas modas e as  suas nuances efémeras  : Tribeca hoje  (amanhã?)

 

 

 

Have a good one!

 

 

Valete

 

Raulus Antonius

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Raúl Mesquita às 12:11 link do post
|  O que é? | favoritos
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Sabe, se V. não fosse europeísta não se chamava G....
Sabe, essa ideia de Europa Unida acho que é uma fi...
Obrigada pela visita.George Sand com toque feminin...
Cara George Sand:Gostei da sua visita e fui também...
É lindo o cravo. Convida a silêncios. Entrelaçados...
Tailon , óntos ?
Sou eu quem deve pedir desculpa então.Muito prazer...
A desculpe.Meu nome é Thailon mesmo. Thailon Azeve...
Caro Thailon:Obrigado por ter respondido à minha p...
Sim.Bem, como pode perceber, minha cantora predile...
Caro Thailon:Decerto reparou no último parágrafo d...
Mesmo sabendo que você fez esta lista com gostos p...
Meu querido Raul, o MesquitaA possibilidade de uma...
Deve com certeza ter, Cara Helena. Fascina-me a be...
Que belíssima peça e que som maravilhoso não terá....
Augusto-o-Ilustre:Agradeço as tuas sempre prontas ...
Meu amigo Raul, o MesquitaA música está sempre pre...
Cara Helena:Obrigado pela sua visita. Compreendo q...
O que me choca na foto:- Duas mulheres sem cabeça-...
Meu querido amigo Raul, o MesquitaNa época da guer...
Meu Caro:Vá por mim, não perca tempo com o Google ...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Ao Ilustre:Muito obrigado pelas tuas, sempre genti...
Este texto, mais que formular opinião, é uma aula ...
Caríssimo Raul, o MesquitaTenho que aceitar que a ...
Saudações! Já lhe terá ocorrido espreitar na lite...
Augusto, O Ilusre:Ficcionei ao escolher a ficção, ...
Meu caro amigo Raul, o MesquitaNão caias no erro d...
O Para vir. Com o álibi da troika! Estou à espera ...
Querido Amigo:Compreendo bem as tuas palavras e ag...
blogs SAPO